Home » Matérias » Especial » iPhone 4S: Testamos o novo smartphone Apple

iPhone 4S: Testamos o novo smartphone Apple

:: por Redação macmais :: 22/10/2011 :: 8 comentários

por Sérgio Miranda (@saam)

É a primeira vez que vejo um produto que desapontou muita gente no dia do seu anúncio ser um sucesso de vendas tão incrível no dia do lançamento oficial. Assim foi com o iPhone 4S, que no dia da apresentação, em 4 de outubro, rendeu uma série de posts e matérias com um tom de desapontamento. “Não é o iPhone 5”, “Não mudou nada”, “Vai ser um fracasso”, davam uma idéia de quanto a blogosfera ficou chateada com o novo iPhone.

Tendo como principais novidades um processador A5 (o mesmo do iPad 2), uma câmera de 8 MP e o assistente pessoal ativado por voz chamado Siri (mais sobre esses assuntos no decorrer da matéria), o iPhone 4S não parecia estar à altura dos lançamentos feitos por Steve Jobs no passado. O anúncio, feito por um Tim Cook (CEO) bastante nervoso, Scott Forstall (VP para o iOS) correndo para falar das novidades do iOS 5 e um Phil Schiller (VP de Marketing Mundial) não muito inspirado, ajudou a manter o clima de pessimismo sobre o sucesso da nova versão do smartphone.

Mas no dia 14 de outubro, dia do lançamento oficial, tudo isso se tornou apenas uma lembrança ruim. Com 1 milhão de pedidos antecipados, feitos a partir do dia 7 de outubro, mais 4 milhões de vendas em um final de semana, podemos suspirar aliviados. O iPhone 4S veio para se tornar um dos melhores smartphones já vendidos, comparado apenas ao seu antecessor, claro. A *macmais* foi até o Canadá pegar um iPhone 4S para essa resenha especial. Será que valeu a pena esperar?

Mais veloz, sim, mas…

Se o iPhone 4 e o 4S são iguais por fora, será que valeria a pena comprar um novo ou apenas instalar o iOS 5 (mais sobre ele nas páginas a seguir) e ser feliz? Em princípio, o argumento é até válido, já que muitas funcionalidades bacanas do sistema operacional funcionam normalmente no modelo antigo do iPhone. E mesmo com o processador A4 do ano passado sendo relativamente veloz, não se pode imaginar que as novidades do iOS 5 vão rodar suavemente no chip antigo. Performance é algo que deve ser levado em consideração na hora de uma atualização como essa.

O A4 do iPhone 4 e do iPad 1 é um processador com um núcleo, enquanto o A5 é _dual core_, na teoria, duas vezes mais esperto. Na época do lançamento do iPad 2, já era possível notar a diferença. Baseado no ARM A9 com velocidade de 1 GHz e 512 MB de RAM, o A5 mostrou que não veio ao mundo a passeio. No iPad, a sensação de velocidade era bem evidente, com aplicativos abrindo mais rápido e também com um tempo menor de incialização. Mas e no iPhone? Isso se repetiu?

A versão do A5 para o iPhone roda com velocidade 800 MHz, para economizar energia. Comparado com a concorrência, parece pouco, já que a grande maioria já está na casa dos 1,2 GHz. Mas como todo usuário mais antigo de Mac já está cansado de argumentar, gigaherts a mais não significam mais performance. O segredo aqui está no iOS, que consegue usar a GPU (placa gráfica) para realizar grande parte da aceleração e processamento de dados complexos, deixando a memória RAM apenas para o essencial, tentando assim, ganhar mais autonomia de bateria.

De modo geral, a sensação de rapidez no iPhone 4S não é tão evidente como foi no caso do iPad 2. Alguns aplicativos abrem mais rápido, mas a sensação que se tem é que a velocidade é a mesma do modelo anterior. Porém, o A5 consegue diminuir a demora de resposta em algumas tarefas mais intensas, como em jogos. Sendo assim, mesmo sem parecer, o 4S é mais veloz. No teste de benchmark usando o GeekBench, o resultado é claro: 362 para o iPhone 4 e 622 no iPhone 4S. Muito perto do dobro, para se ter certeza.

Tabela  Geekbench   Integer   Fl. Point    Memory      Stream     Total

iPhone 4 293            358                 530                285              362

iPhone 4S 557            729                 719                 288              622

No mundo real, a performance melhor aparece na hora de ligar. O 4S demorou 20 s para iniciar, enquanto o 4 levou 30 s. Para abri uma página, o 4S levou 6 s, enquanto o 4 demorou 10 s. Se isso ainda não o convenceu a mudar de aparelho, temos outras duas razões ainda para demonstrar.

Fotos muito melhores

Quando o iPhone original (que muitos chamam de 2G) apareceu em 2007, foi muito criticado por sua câmera com 2 megapixels. E as gerações seguintes também não foram melhores, com seus 3.0 (3G) e 3.2 MP (3GS). Só no iPhone 4 as coisas melhoraram, chegando aos 5 MP. Tudo bem que isso não impediu do smartphone da Apple ser a câmera com mais fotos na rede social Flickr, mas mesmo assim, sempre foi considerado o calcanhar de Aquiles do produto.

Pois tudo muda com o iPhone 4S. Com a ajuda da Sony, que desenvolveu a câmera atual, o iPhone 4S atinge finalmente um patamar muito melhor no quesito fotos. Para começar, ela é extremamente mais rápida, levando menos de dois segundos para tirar uma foto, enquanto o iPhone 4 demora cerca de 5 segundos para processar tudo. Para fazer uma imagem com HDR, então, chega a ser desesperador a velocidade de processamento do 4S, cortesia do nosso já conhecido processador A5, que também é o responsável pelo reconhecimento facial.

Foto feita com o iPhone 4. Note como as luzes frias ficaram borradas...

Outra vantagem da nova câmera é a possibilidade de fazer fotos de macro, algo impossível no iPhone 4. Por conta da nova lente, com abertura f/2.4, a nitidez e a cor ficaram muito mais evidentes. Não é preciso nem mesmo transferir as fotos do smartphone para o Mac, na pequena tela de 3,5 polegadas já é possível perceber a diferença. O foco automático é muito bom, mas no começo é um pouco irritante o vai e volta da imagem entrando e saindo do foco.

já a do iPhone 4S ficou bem mais nítida...

Além disso, agora o 4S faz vídeos em Full HD (1080 p), bem mais do que os já bons 720 p da geração anterior. Para deixar ainda mais interessante, o sistema de estabilização de movimento é surpreendente. Filmando uma cena andando, a compensação na filmagem quando focada é impressionante. Mesmo fazendo movimentos com a câmera (quer dizer, o iPhone), a cena não fica totalmente tremida.

Foto feita com o iPhone 4S

Apesar da Apple não falar nada sobre a qualidade da câmera frontal, que é usada para FaceTime. Segundo o site da Apple, ela foi melhorada, tendo uma distância focal e campo de visual aprimorados. Botos dizem que ela deixaria de ser VGA e teria agora 1,3 MP, porém é uma diferença praticamente imperceptível. Ela ainda continua sendo uma câmera simples, apenas para videoconferência e não para fotos sérias.

Como ponte negativo no conjunto, o flash em LED continua igual, deixando as fotos com uma cor azulada horrível, deixando a imagem muito ruim. Aproveite que a nova câmera do iPhone 4S consegue fazer fotos com baixa luminosidade e deixe o flash de lado. A não ser que você precise de uma lanterna de emergência.

Em que posso ajudá-lo?

Se até agora você não se sentiu tentando a sair correndo e comprar um iPhone 4S, seja por que não está interessado em melhor performance ou por que não usa o smartphone como câmera, conheça Siri, um assistente por voz que promete ser a grande sensação da nova versão do iPhone. Totalmente dependente do processador A5 (e por isso, não é possível instalá-lo no antigo iPhone), ele (ou ela, depende do país) é a evolução do Controle de Voz, realizando tarefas, pesquisas e qualquer coisa sem nenhum toque na tela.

Ainda em fase beta, Siri é um espanto. Basta aproximar o telefone do rosto e ele já é ativado (ou se preferir, aperte o botão início por alguns segundos, como era com o Controle de Voz). O ícone de um microfone aparece e a voz quase humana pergunta o que você quer (na Inglaterra, a voz é masculina, nos EUA, feminina). Pergunte sobre o tempo, faça uma pesquisa na web, peça para ligar para alguém ou mande um email. Siri faz tudo isso. E até mais: algumas perguntas mais “brincalhonas” ganham respostas bem-humoradas.

Essa não é uma tecnologia inventada na Apple. Siri nasceu como um projeto em um instituto de pesquisa na SRI International e foi comprada pela Apple em 2010 por US$ 200 milhões. Entre os engenheiros que preferiram não ir para Cupertino, Norman Winarsky, um dos co-fundadores, disse em uma entrevista ao Wall Street Journal na semana do lançamento do iPhone 4S que Siri tem dois sistemas distintos, um  que escuta e traduz o que o usuário diz e outro que interpreta o significado por trás do pedido e responde.

Tentar explicar o/a Siri em palavras é realmente complicado. Porém, apesar de ser ainda um projeto em andamento, ele consegue fazer muitas coisas bacanas. Por estar em beta, há ainda vários contratempos: o sistema só aceita alguns idiomas, como inglês americano, britânico e australiano, francês e alemão. Além disso, dependendo da sua pronúncia e sotaque, ele pode entender tudo errado. A internet já está lotada de piadas com Siri, desde as clássicas perguntas “qual o sentido da vida” (que ele/ela responde de diversas maneiras), até coisas impublicáveis.

Se até agora Siri é mais um brinquedo interessante para as pessoas, o futuro é brilhante. Com ele/ela, já é possível ditar textos e emails com uma precisão muito boa (apenas em inglês, francês e alemão, é bom lembrar). É claro que outros idiomas já estão em produção e logo poderemos conversar com nossos iPhones 4S em português. Pelo menos, é o que esperamos. Nos aplicativos que usam o teclado, como Notas e Mail, se você habilitar o teclado Inglês (pode ser o EUA – International PC), aparece um botão com o microfone. Aperte-o para começar a ditar seu texto. Alguns comandos devem ser usados para trocar de linha, vírgulas e outros acentos. E novamente, não podemos esquecer que tudo deve ser em inglês.

Mas onde acontece essa mágica toda? No iPhone? Não. Tudo é feito nos servidores da Apple, por isso, é preciso uma conexão com a internet. Isso quer dizer que é necessário ter 3G ou Wi-Fi habilitados. Talvez por isso a Apple tenha retirado a opção de desligar o 3G do iPhone 4S (que ficava em Ajustes > Geral > Rede). Você pode desligar o roaming de dados, mas não desativar o 3G no iPhone 4S. Com isso, você ganha um problema: consumo de bateria.

Energia a mais?

Apesar da Apple dizer que a autonomia da bateria no iPhone 4S é maior que a de seus antecessores, na vida real a coisa muda de figura. O consumo é muito parecido com o do iPhone 4, isto é, pode ser que você fique sem energia no final do dia. Dependendo da quantidade de aplicativos abertos e de seu uso na internet, é frustrante verificar que rapidamente um clico de bateria se vai, mesmo com o telefone em modo repouso (ou standby).

No site, a indicação de 200 horas de autonomia só pode ser alcançada se nenhum aplicativo estiver aberto e também com diversas funcionalidades desligadas, como o Wi-Fi ou o sistema de Localização. Se você gostou das notificações do iOS 5, saiba que receber esse tipo de informação custa tráfego de dados e, portanto, consome bateria, do mesmo jeito que o Push para email. Desligar isso tudo transforma o iPhone em um celular normal. Para ter um smartphone bacana, exige-se um sacrifício, e ele é a bateria.

E agora, troco ou não?

Comprar o iPhone 4S é uma decisão difícil. Quem já tem o iPhone 4 pode pensar duas vezes em fazer uma atualização como essa, já que não houve mudanças visuais e as principais funcionalidades novas do aparelho (processador A5, Siri e câmera de 8 MP) podem não ser atrativas a todos os usuários. Baixar o iOS 5, com o iCloud, pode satisfazer os menos exigentes, já que o modelo do ano passado ainda é rápido e tem uma câmera boa.

Para quem ficou no 3GS ou ainda não tem um iPhone e decidiu que precisa de algo novo na sua vida, o iPhone 4S é uma boa pedida, mesmo sabendo que o preço dele por aqui será alto (muito provavelmente, o mesmo do iPhone 4 atual). As vantagens são tantas que é difícil argumentar contra o novo 4S.

E além do mais, o visual dele é sensacional. “Mas ele não mudou nada do 4 para o 4S”, insinua o incauto leitor. É verdade. Mas e por acaso ele era feio antes?

8 comentários

  1. Andre comentou 11:48 às 22 de outubro de 2011

    Cara, “O segredo aqui está no iOS, que consegue usar a GPU (placa gráfica) para realizar grande parte da aceleração e processamento de dados complexos, deixando a memória RAM apenas para o essencial, tentando assim, ganhar mais autonomia de bateria.”. Você não cursou computação ou correlacionadas na faculdade, né? O fato de vc ter uma GPU dedicada a processamento de vídeo (ou o que for) não muda em nada o consumo de RAM. RAM não processa nada, amigo. RAM é memória…

  2. mendes comentou 18:12 às 14 de março de 2012

    Pessoal tenho um 4S e estou completamente arrependido de te lo comprado, pois pelo fato de que no brasil e em especifico São Paulo que dirá o resto, o Sinal de 3G é uma verdadeira piada, com certeza da não necessidade de ter o botão de desligue do 3G a Aplle ferrou a vida dos que tanto o aguardava!
    A Raiz do meu problema é bem Simples:
    quando estou em deslocamento, existe uma troca de banda (normal), onde o telefone capta o sinal 3G ou EDGE e vise versa que por algum tempo derruba todo o sinal do aparelho!
    como poderia me fixar em uma banda para ter pelo menos meu telefone sem a porcaria do botão?
    para quem quer uma solução ai vai a dica!!!!
    tirem da gaveta o antigo iphone 4 e vamos aguardar um dia uma melhor opção de software ou um sinal de qualidade dessas operadoras!!! se por parte das operadoras então teremos no mercado o Iphone 10 quem sabe!!!!!

Deixe um comentário

 

Publicidade